Moçambique

Moçambique
Parque da Gorongosa

Douro

Douro
An cama de mofo

quinta-feira, 21 de março de 2013

Nas alas dun suonho


 



Pedi al aire
que me lhebasse ne l pelo
an biaige sien çtino.

L aire oubiu l miu pedido
i lhebou-me an biaige;
pormeiro an bolo dagudo,
apuis an sustenido.

De l mar recebi l´araige,
de l sol recebi la calor;
mirei la lhuna serena
i sous galatones ouserbei;
pasmei-me ne l relhampar dua streilha
i a un cometa m´assigurei.

El eizagerou ne l bolo
i, de tanta mecha, mariei.

Cun un bózio de zaspero,
amplorei al aire por duolo,
que antrançasse l pelo,
me prendisse
i me punisse ne l suolo.

 Prendiu-me cun las sues tranças,
cumo an braço de guindaste
i an biaige stuntiante,
na tierra fizo bolo rasante.

Dun assopro abriu la jinela
de ls mius uolhos i de l quarto,
dezindo,
la tue biaije acabeste,
quedas eiqui i you scápo-me.

Cerrei la jinela al aire
i las mies jinelas tamien,
ampecei outra biaige,
ne l suonho que la bida susten.


terça-feira, 19 de março de 2013

Pai







Pai!

 
 Tantas cuontas por cuntar,
 tantas palabras por ambersar, 
 tantos poemas por nacer, 
 tantos fruitos por colher... 

Boleste d´ua cuonta a meio cuntar,
 daqueilhas que tu bibiste,
de muitas que nun screbiste 
i que nun sei acabar

 

(Em português)


Pai!

Tantas histórias por contar,
tantas palavras por rimar,
tantos poemas por nascer,
tantos frutos por colher... 
 
Voaste duma história a meio contar,
daquelas que tu viveste,
de muitas que não escreveste
e que não sei acabar.